AGENDA 2018 DE TRAVESSIAS E EXPEDIÇÕES


TRAVESSIA SERRA NEGRA

 

A Travessia da Serra Negra inicia-se no Posto Marcão, seguindo pelo Abrigo Rebouças em direção a Pedra do Altar. Este caminho leva ao vale - onde é possível avistar os Ovos da Galinha e a Pedra do Sino - e segue à esquerda da Cachoeira do Aiuruoca, considerada a mais alta do Brasil, em altitude.

 

A partir da cachoeira, a trilha segue em direção à Invernada e Cabanas do Aiuruoca. Dali, o caminho segue acompanhando o rio Aiuruoca até a região do Matão, onde está localizada a pousada da Dona Sônia, indicada pelo parque para pernoite. Até este ponto, percorre-se cerca de 19 km. No segundo dia, parte-se para a subida do Morro da Misericórdia da Serra Negra. Ao vencer este obstáculo, percorre-se a crista da serra, seguida por uma longa descida até o vilarejo de Maromba.

Esta travessia tem aproximadamente 32 km e o ideal é que seja feita em dois dias. Outra alternativa é iniciar a travessia através do novo circuito, denominado Cinco Lagos, que encontra com a trilha próximo à Pedra do Altar.


TRAVESSIA DO OURO/ CAMINHO DE MAMBUCABA

 

O Caminho de Mambucaba, também conhecido como Trilha do Ouro, tem início na portaria do parque em São José do Barreiro e término no sertão de Mambucaba, município de Angra dos Reis, RJ. Dentro da unidade de conservação são percorridos cerca de 48 km, divididos em três dias de caminhada.

No primeiro dia de trilha apreciaremos e nos banharemos na cachoeira Santo Isidro e visitaremos a cachoeira das Posses.

A cachoeira das Posses fica a 8 km da portaria do parque em São José do Barreiro e tem uma queda de aproximadamente 40m de altura. As ruínas presentes na trilha que leva à cachoeira são um registro histórico da antiga fazenda responsável pela plantação e extração de pinus, cedrinho português e eucalipto. Este talhão ainda pode ser observado pelo visitante, mas é objeto de estudo no Programa de Erradicação de Espécies Exóticas do PNSB.

No segundo dia, chegaremos à magnífica cachoeira do Veado para banho e acampamento selvagem nas suas proximidades.

A cachoeira do Veado é a mais famosa do parque. Por estar muito próxima do Caminho de Mambucaba, é parada obrigatória dos visitantes que cruzam o Parque pelo caminho histórico.

A partir de lá, já no terceiro dia, iniciaremos uma longa descida em direção ao litoral, na vertente atlântica do parque. O calçamento de pedras, dos tempos da Coroa, remete a uma viagem no tempo e exige do trekker muita atenção na descida. 

Chegando ao final da trilha, nos despediremos do Rio Mambucaba que nos acompanhou durante toda esta fascinante travessia.

 


TRAVESSIA PETRÓPOLIS X TERESÓPOLISA

travessia Petrópolis Teresópolis, também apelidada carinhosamente pelos aventureiros de "Petrô-Terê", é a caminhada mais conhecida e a mais famosa do Brasil, considerada ainda a mais bela travessia brasileira. Com aproximadamente 28 km de extensão a caminhada é realizada em 3 dias com dois pernoites onde ficaremos hospedados em abrigo no Sino e no Açú. Com muitas subidas e descidas íngremes é considerada uma caminhada difícil, com movimentos de escalada, exposição em algumas partes e muita variação altitudinal. São kilometros de emoção, desejo de superação e coragem, só indicada para aventureiros experientes e com bastante resistência às intempéries.


MONTE RORAIMA

 

O monte Roraima é uma montanha localizada na América do sul, na tríplice fronteira entre Brasil, Venezuela e Guiana.

A flora adaptou-se a essas condições climáticas e geológicas com um elevado grau de endemismo, onde encontram-se diversas espécies de plantas carnívoras – que retiram dos insetos capturados os nutrientes que faltam no solo.

A fauna também é marcada por um acentuado endemismo, especialmente entre répteis e anfíbios. Esse ambiente é protegido no território venezuelano pelo Parque Nacional Canaima e no território brasileiro pelo Parque Nacional do Monte Roraima.

Seu ponto culminante eleva-se no extremo sul, no estado venezuelano de Bolívar, a 2810 metros de altitude. O segundo ponto mais alto, com 2772 metros, localiza-se ao norte do planalto, em território guianense, próximo ao marco de fronteira entre os três países. 

O monte Roraima tornou-se um dos destinos mais populares para os praticantes de trekking, devido ao ambiente singular e às condições relativamente fáceis de acesso e escalada e sua paisagem que parece ter saído de um filme de ficção ou da era dos dinossauros, com cavernas, lagos imensos em meio a rocha e campos de cristais.

 O trajeto mais utilizado é feito pelo lado sul da montanha, através de uma passagem natural à beira de um despenhadeiro com um visual de tirar o folego.

 

Esta é uma aventura que todo amante de trekking deve ter em seu currículo. Simplesmente fascinante!!!


Expedição Serra Fina

 

A Travessia da Serra Fina, está localizada entre as cidades de Passa Quatro e Itamonte na Serra da Mantiqueira na divisa de Minas Gerais com São Paulo. É um dos trekkings mais belos do Brasil.

 Percorre as mais altas montanhas da Serra da Mantiqueira em paisagens de campos de altitude, muita natureza e visuais deslumbrantes.

Na década de 1990, este trekking ficou conhecido como sendo a “travessia mais difícil” do Brasil.

Isso por que não havia tanta gente percorrendo o caminho e a vegetação era mais densa. A consolidação da trilha facilitou em muito a caminhada de 36 km e hoje ela não ostenta mais esta fama, mas está longe de ser fácil.

A trilha percorre a crista de montanhas, subindo e descendo algumas das mais altas montanhas do Brasil, como o Pico do Capim Amarelo (2491m)Pedra da Mina (2798m – quarto mais alto do país)Pico dos Três Estados (2656m) e Cupim de Boi (2543m).

 Há por isso pouca opção de água, sendo necessário carregar o precioso líquido que deixa a mochila mais pesada.

 

Por conta da distância a ser percorrida, os vários sobes e desces e o peso da mochila, a Serra Fina é muito exigente fisicamente sendo necessário preparo. É um ótimo roteiro para quem já possui uma experiência e quer realizar caminhadas com camping selvagem em montanha.


Travessia Itaguaré x Marins 

 

A meio caminho entre o Ribeirão Passa Quatro e o cume do Pico dos Marins, olhando para a direção leste vislumbram-se as torres do Pico do Itaguaré (2.308 m), o Nariz do Gigante. À medida que ganhamos altitude, observamos a crista da mantiqueira avançando do Pico do Marinsinho, passando pela Pedra Redonda e se deparando com o imponente Itaguaré.

Este é o cenário de uma das mais famosas travessias de montanha do Brasil. Realizá-la é o desejo de boa parte dos montanhistas que se aventuram no Pico dos Marins.

 

Três dias é o tempo necessário para curtir cada centímetro de seu percurso; a vida inteira é o tempo para recordá-la.

Uma combinação equilibrada de extrema beleza, dificuldade para percorrê-la proporcionada pela variada e intensa vegetação e pelos grandes desníveis entre os seus extremos, além de atrações como a Pedra Redonda, os túneis de pedra e os próprios picos que dão nome à travessia.